segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Juca Kfouri, o agnóstico.

Sou fã do jornalista Juca Kfouri. Em tempos de miltons, flávios, chicos, osmars, netos e outros ele, junto com uma meia dúzia são um oasis em um deserto quando o assunto é jornalismo esportivo.

Hoje e na última semana, seu blog e sua coluna na folha tem repercutido uma coluna, escrita pelo mesmo, sobre o "merchan religioso" no futebol. Fiquei triste.

Não! Não fiquei triste por que ele se disse ateu e nem por que está "atacando" os atletas "de Cristo". Fiquei triste por ver o efeito contrário que a propaganda evangélica anda fazendo por aí.

Marcou um gol... foi deus! Foi negociado por milhões, foi deus também! Está em má fase, foi o diabo.

Ele considera a fé em Deus uma muleta.

Enquanto vivenciarmos uma fé desconectada da realidade humana, pessoas como o Juca, sempre olharão o evangelho de Cristo apenas com mais uma forma de prisão: a religião.

Seguem as duas colunas sobre o assunto. Se quiserem ler os comentários, cliquem no link do blog do Juca em "eu recomendo".


Na 'Folha' de hoje
JUCA KFOURI
Deixem Jesus em paz

Está ficando a cada dia mais insuportável o proselitismo religioso que invadiu o futebol brasileiro

MEU PAI , na primeira vez em que me ouviu dizer que eu era ateu, me disse para mudar o discurso e dizer que eu era agnóstico: "Você não tem cultura para se dizer ateu", sentenciou.
Confesso que fiquei meio sem entender.
Até que, nem faz muito tempo, pude ler "Em que Creem os que Não Creem", uma troca de cartas entre Umberto Eco e o cardeal Martini, de Milão, livro editado no Brasil pela editora Record.
De fato, o velho tinha razão, motivo pelo qual, ele mesmo, incomparavelmente mais culto, se dissesse agnóstico, embora fosse ateu.
Pois o embate entre Eco e Martini, principalmente pelos argumentos do brilhante cardeal milanês, não é coisa para qualquer um, tamanha a profundidade filosófica e teológica do religioso.
Dele entendi, se tanto, uns 10%. E olhe lá.
Eco, não menos brilhante, é mais fácil de entender em seu ateísmo.
Até então, me bastava com o pensador marxista, também italiano, Antonio Gramsci, que evoluiu da clássica visão que tratava a religião como ópio do povo para vê-la inclusive com características revolucionárias, razão pela qual pregava a tolerância, a compreensão, principalmente com o catolicismo.
E negar o papel de resistência e de vanguarda de setores religiosos durante a ditadura brasileira equivaleria a um crime de falso testemunho, o que me levou, à época, a andar próximo da Igreja, sem deixar de fazer pequenas provocações, com todo respeito.
Respeito que preservo, apesar de, e com o perdão por tamanha digressão, me pareça pecado usar o nome em vão de quem nada tem a ver com futebol, coisa que, se bem me lembro de minhas aulas de catecismo, está no segundo mandamento das leis de Deus.
E como o santo nome anda sendo usado em vão por jogadores da seleção brasileira, de Kaká ao capitão Lúcio, passando por pretendentes a ela, como o goleiro Fábio, do Cruzeiro, e chegando aos apenas chatos, como Roberto Brum.
Ninguém, rigorosamente ninguém, mesmo que seja evangélico, protestante, católico, muçulmano, judeu, budista ou o que for, deveria fazer merchan religioso em jogos de futebol nem usar camisetas de propaganda demagógicas e até em inglês, além de repetir ameaças sobre o fogo eterno e baboseiras semelhantes.
Como as da enlouquecida pastora casada com Kaká, uma mocinha fanática, fundamentalista ou esperta demais para tentar nos convencer que foi Deus quem pôs dinheiro no Real Madrid para contratar seu jovem marido em plena crise mundial.
Ora, há limites para tudo.
É um tal de jogador comemorar gol olhando e apontando para o céu como se tivesse alguém lá em cima responsável pela façanha, um despropósito, por exemplo, com os goleiros evangélicos, que deveriam olhar também para o alto e fazer um gesto obsceno a cada gol que levassem de seus irmãos...
Ora bolas!
Que cada um faça o que bem entender de suas crenças nos locais apropriados para tal, mas não queiram impingi-las nossas goelas abaixo, porque fazê-lo é uma invasão inadmissível e irritante.
Não é mesmo à toa que Deus prefere os ateus...  

Na 'Folha' de hoje
JUCA KFOURI
Jesus é uma farsa!

Como reagiriam aqueles que defendem o merchan religioso nos gramados se alguém vestisse a camiseta acima?
IMPRESSIONANTE como muita gente lê o que quer e não o que está escrito.
Fora, é claro, o preocupante analfabetismo funcional e a conhecida demagogia dos que pegam uma caroninha em tudo.
Houve quem visse tentativa do colunista em cercear a liberdade religiosa na coluna passada.
Desafia-se aqui quem quer que seja a demonstrar uma vírgula sequer neste sentido.
Reclamou-se, isso sim, da chateação que o proselitismo religioso causa em quem quer apenas ver um jogo de futebol, ao mesmo tempo em que se defendeu que cada um se manifeste como quiser nos locais apropriados.
Houve também quem não se lembrasse de ter lido aqui manifestações contra atletas que fazem propaganda de cerveja.
Para esses só resta indicar memoriol, porque não só são criticados os esportistas que fazem propagandas do gênero como, também, quem usa espaço esportivo para tal, seja ou não jogador.
E não me venha ninguém dizer que os tais atletas de Cristo são bons exemplos neste mundo de pecadores, pois basta olhar para Marcelinho Carioca e ver que as coisas não são bem assim.
E que fique claro que o colunista gosta, muito, de cerveja, assim como inveja os que creem, porque deve ser uma boa muleta para suportar as agruras da vida e para alimentar a esperança da compensação de uma vida eterna.
Posso garantir, no entanto, que nem mesmo nos momentos limites que já vivi apelei a alguma força superior que me salvasse.
E não foi para ser intelectualmente coerente.
Mas chega a ser divertido ver um político que tem crescido feito rabo de cavalo, para baixo, conhecido por sua homofobia, sinônimo de preconceito, querer dar lição de moral, como um obscuro ex-deputado federal, hoje apenas vereador, que buscou alguns votinhos adicionais ao entrar na polêmica.
Polêmica que rendeu coisa de 120 mensagens eletrônicas de leitores desta Folha para minha caixa postal, surpreendentemente a favor da coluna, coisa de 80%, embora índice compreensivelmente menor de aprovação do que nos quase 500 comentários no blog.
E aí é motivo de satisfação constatar que só a esmagadora minoria não é capaz de entender a ironia da frase "Deus prefere os ateus", usada no fecho da coluna.
Aos que pediram que a coluna se limite ao futebol, um aviso: não há nenhuma atividade humana que não possa ser relacionada ao futebol, razão pela qual o espaço seguirá sendo preenchido desse jeito.
Finalmente, uma ponderação óbvia: deixar o campo de futebol para que nele se dispute só o jogo acaba por proteger os fundamentalistas de algum herege que vista uma camiseta com os dizeres do título desta coluna, ali escritos apenas à guisa de provocação.
Já imaginou?
Seria uma delícia ver a reação dos que brandiram até a Constituição, que garante a liberdade religiosa, como se o colunista tivesse agredido seus princípios.
E, por falar em futebol, a coluna de amanhã será sobre a 15ª rodada do Brasileirão.

Até lá.

3 comentários:

Danilo Fernandes disse...

Ola Fernando!

Otimo post. Juca é useiro e vezeiro deste tipo de comentário... Ouvi coisas piores pessoalmente.

Ótimo material inédito e bons posts em geral por aqui. Parabéns.

Aproveitamos a oportunidade para convidá-lo a conhecer o Genizah, um blog que faz apologética com muito humor, oferece textos inéditos de grandes autores e dá bom combate na heresia e nos modismos que tanto mal andam fazendo à difusão do Evangelho puro!


Vejo vocês por lá. Já estamos seguindo vocês.

Paz e Bem.

Danilo

http://www.genizahvirtual.com/

Luiz Clédio Monteiro disse...

Demagogice. O nadador confirmou o favoritismo em provas de velocidade, e, aponta para os céus, parece que agradecendo a Deus, pela medalha de ouro.

Esse gesto tem sido rotina ultimamente nas arenas de esporte. Os atletas parecem ter descoberto o poder de Deus. Todos publicamente, estão fazendo gestos de oração, balbuciando expressões de agradecimento a Deus pelos troféus.

Isso de gesticular agradecimento a Deus nos momentos de euforia, já acontecia aqui fora com as pessoas. Só não acontece quando o evento vira rotina, ai sim. Prevalece o ditado popular – “Quem está por cima da carne seca, não se lembra de Deus.” Mas no início, não. Deus é aquele “amigão” que se fez de cego para “certas coisas”, e, “deixou rolar frouxo”, entende? Mesmo porque agradecer, não quer dizer ter fé, uma vez que, fé, é a certeza das coisas que ainda não aconteceram; portanto, complicado quando não se tem.

Assim sendo, enquanto os atletas, ganhadores de medalhas; vencedores de disputas, estão levantando seus troféus. Enquanto os empresários bem sucedidos estão recebendo suas distinções; os políticos suas condecorações;os artistas globais seus aplausos; e, com isso, suspirando a Deus pelo “galho quebrado” em não aplicar Sua justiça, mas “facilitar as coisas.” Verdadeiramente todas essas atitudes de agradecimentos de modo geral, estão se perdendo no vento, no espaço e no tempo.

vou seguir seu blog. vise o nosso tbm ok? fique na paz amigo

Anônimo disse...

O Evangelho não é religião (muito menos uma prisão), mas é um modo de vida, em que só vive quem quer... E a questão de má fase, leia este exemplo ( alguém pede a Deus um emprego, Deus ouve e até prepara o emprego, mas a pessoa que pediu o posto no mercado de trabalho acorda tarde, não se prepara e etc..., a culpa é do Diabo? Não; mas a culpa é de Deus? Também não; então de quem é a culpa? É da pessoa que não se esforçou para ganhar seu emprego) assim é a má fase... Deus ajuda a quem se esforça e busca vencer!!!